Preservar a qualidade
é em primeiro
lugar preservar
o meio ambiente.
 
 

Consciente dos perigos ecológicos, a empresa aplica um caderno de encargos ambiental estrito. As quintas do Grupo são a referência para os profissionais do sector. Em colaboração com o WWF a Unima iniciou a eco-certificação da aquicultura Malgache.

Mais de 97% de mangroves de origem foram preservados e mesmo reforçados pela plantação de 650 000 pés de mangroves. A Unima procede igualmente aos programas de rearborização de eucaliptos, de acácias, de tecas e de árvores casuarinas.

A Unima procura sempre reduzir ao mínimo o impacto das suas instalações sobre a natureza e efectua um seguimento ambiental cerrado da fauna, da flora e da qualidade das águas. As unidades do Grupo são voluntáriamente distanciadas umas das outras a fim de preservar os  ecossistemas e de reforçar a bio-segurança.

Forte na sua experiência pioneira na aquicultura, a Unima decide iniciar um novo e audacioso desafio para Madagáscar : a cultura de acaju, ou noz de caju. Este projecto de envergadura tem por ambição o repovoamento durável de 7 000 hectares de terra árida que estavam condenados à desertificação, para a plantação de mais de um milhão e meio de árvores.